Trope

Por que investir na Geração Z?

Nas redes, nas empresas e nos meios de comunicação não se fala de outro recorte sem ser o da Geração Z. No meio do ano, um Tweet da criadora de conteúdo e podcaster Carol Rocha, ou Tchulim pros mais íntimos, furou a bolha do Twitter e fomentou uma pauta geracional em ambientes fora da internet. Tudo isso discutindo o tal termo “cringe”, que já esfriou nas discussões por aí, mas que significa “vergonhoso”. Bóra descobrir então o que tem de tão especial nessa galera que tá fazendo todo mundo querer se conectar com seus interesses e seguir suas tendências? 

Quem faz parte da geração Z?

Antes de tudo vale a pena reforçar que estudos geracionais normalmente transitam entre anos de início, e não há certo ou errado. Varia do contexto da análise sociológica, e contém recortes de transformações de hábitos e interesses. Por aqui, consideramos os nativos digitais sendo os nascidos de 1996 a 2010. Essa geração é caracterizada, principalmente, por já terem sido concebidos num mundo globalizado e unido pela internet, mesmo que pela internet discada no começo, pros mais velhos deles. Isso fez com que tivessem uma exposição maior de informação e realidades virtuais nunca vividas antes pela sociedade, e conceitos como metaverso aparecendo por aí.

Por que essa galera tá tão em alta?

Muita gente pode pensar que a GenZ é composta só por crianças e pré-adolescentes, porém os mais velhos dessa geração já estão com 25 anos e se não ocupam, tendem a em pelo menos 4 anos ocupar grandes cargos nas corporações.  No Brasil, são 23 milhões de nativos digitais, correspondentes a 20% da população que são economicamente ativos e 32% da população mundial. Essa galera tá ditando tendências globais por aí, pra começar pela gigante chinesa: TikTok, a rede social responsável pelos principais virais de 2020-2021 que foi descoberta e abraçada como a rede social da GenZ

Durante o boom da pandemia, em 2020, foi entendida a necessidade de estudar e compreender a necessidade dessa geração que estava cobrando posicionamentos, de seus influenciadores, políticos e  da família, para com a crise sanitária vivida naquele ano. Isso nos reflete em uma das principais características dessa galera: são engajados em causas humanitárias, sociais e ambientais, repugnando os problemas ignorados por gerações passadas e usando principalmente de armas digitais para fomentar suas lutas. 

Quais as oportunidades vindas dessa geração?

Mesmo não tendo a mesma ligação com marcas que as gerações anteriores, os nativos digitais continuam consumindo e escolhem muito bem as marcas analisando seus posicionamentos e presença online. Por isso, como marca, é impossível fugir dessa tendência e escolher porta-vozes de forma correta é o que te diferencia de empresas que não se conectam diretamente com a GenZ. Aqui na Trope nós fazemos isso: aceleramos o ecossistema da influência, a creator economy, trazendo mais nativos digitais para entenderem esse multiverso e faturar com uma economia criativa e fora do tradicional! 

Para creators é imprescindível estar de olho nessa galera, independente de qual geração você pertence. As tendências lançadas pelos nativos digitais reverberam também no mercado publicitário e você vai ter um diferencial caso consiga se conectar com elus. 

Conclusão:

A GenZ é o futuro. São consumidores, ativistas e próximos líderes de uma nação. 

O mercado mundial está caminhando na direção dessa galera, conhecê-los é mais do que saber quem é Olivia Rodrigo, por exemplo, mas sim, entender seus interesses, suas motivações, filosofias, e como já estão lutando por um mundo melhor e mais igualitário para todes. Continue ligado aqui no BlogDaTrope, porque nós amamos conversar e discutir tudo sobre o mercado da influência pros nativos digitais! Se você quiser outros insights legais também recomendamos que confira nosso guia exclusivo e gratuitoComo trabalhar marketing de influência pra Geração Z?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Luiz e Arthur

Luiz e Arthur

💚 Luiz Menezes, 22 anos. Empresário, é fundador da Trope e atua com marketing de influência há 5 anos. 💛 Arthur Messias, 22 anos, leonino metido a fashionista. Faz parte da equipe de Marketing e estratégias da Trope.

3 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pra ficar por dentro

Inscreva-se na nossa newsletter semanal sobre tendências
da economia da influência do ponto de vista da geração Z

    pen
    Segue a gente:

    chama@trope.se